Manaus, 26 de fevereiro de 2024

Dificuldade em manter a ereção durante as relações sexuais pode estar relacionada ao estresse e às comorbidades

A disfunção erétil atinge, geralmente, homens com mais de 60 anos, mas, eventualmente, pode afetar também os mais jovens, tendo como fatores correlacionados, doenças como o diabetes, a obesidade, hipertensão arterial e alterações de cunho emocional, que podem envolver estresse e o abalo da autoconfiança.

Segundo o cirurgião urologista da Urocentro Manaus e presidente da seccional amazonense da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), Dr. Giuseppe Figliuolo, a impotência sexual pode ocorrer de duas formas: na mais comum, o indivíduo não consegue enrijecer o pênis de modo a iniciar uma relação sexual. Na segunda, não há a manutenção da ereção durante toda a relação sexual. A boa notícia é que, para ambas, há tratamento.

Doutor em saúde pública, Figliuolo destaca que, apesar de a disfunção erétil ter relação com o envelhecimento do corpo, há estudos que apontam que cerca da metade dos homens com 40 anos ou mais, apresentam a alteração de forma mais ou menos recorrente.

Ele explica que a potência sexual, como é popularmente conhecida, depende de um aumento do fluxo de sangue transportado para o pênis, que junto à ação de um conjunto de terminações nervosas daquela região, faz com que haja o enrijecimento do órgão sexual masculino.

Pessoas com diabetes, por exemplo, acabam registrando um estreitamento dos vasos sanguíneos, fazendo com que a quantidade de sangue que vai para o pênis seja menor. “Já a obesidade compromete a produção hormonal, reduzindo a testosterona e ocasionando a impotência sexual”, explicou Figliuolo.

De acordo com ele, os fatores psicológicos/emocionais também são um importante agravante para a impotência, pois podem bloquear o mecanismo da ereção. Isso ocorre por problemas de autoconfiança, medo de não obter a performance desejada e até por questões relacionadas ao controle ejaculatório. “Nesse caso, podemos citar como exemplos a ejaculação precoce e o priapismo”, frisou o especialista.

Ele explica que a ejaculação precoce ocorre quando o homem ejacula rapidamente, pouco tempo após o início da relação sexual. Já o priapismo, tem como principal característica a ereção considerada anormal, que pode ser dolorosa, e ocorre sem estímulo sexual, podendo perdurar por mais tempo que o normal.

Compartilhe

Postagens Relacionadas

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais lidos

Assine nossa Newsletter

Receba as últimas notícias diretamente no seu e-mail. Não fazemos Spam
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
error: Conteúdo Protegido !!