Manaus, 15 de junho de 2024

Estupro de vulnerável: 20 prisões são registradas em menos de um mês no interior do Amazonas

A Polícia Civil do Amazonas (PC-AM), por meio do Departamento de Polícia do Interior (DPI), registrou, em menos de um mês, 20 prisões pelos crimes de estupro de vulnerável, exploração sexual e tentativa de estupro de vulnerável, no interior do Estado. As ações fazem parte da campanha Maio Laranja, mês de combate à exploração sexual de crianças e adolescentes.

Os números também são reflexos dos investimentos do Governo do Amazonas nas delegacias do interior. Ainda no mês de maio, a Polícia Civil recebeu outros dois fuzis e uma viatura descaracterizada para uso investigativo da Delegacia Especializada de Polícia (DIP) de Parintins (a 369 quilômetros de Manaus).

O delegado Paulo Mavignier, diretor do DPI, destacou que a instituição tem realizado um trabalho incansável e essencial no combate à exploração sexual no interior do Estado, e disse, ainda, que os números de prisões demonstram um compromisso firme com a proteção das vítimas e com a Justiça.

“A luta contra a exploração sexual é um desafio contínuo, mas, os recentes resultados são um testemunho do impacto positivo que pode ser alcançado por meio de operações bem coordenadas e do empenho das equipes policiais”, ressaltou.

Conforme o delegado, o esforço conjunto da Polícia Civil e da sociedade é fundamental para erradicar esses crimes e promover um futuro mais seguro e justo para as crianças do interior do Amazonas.

“A Polícia Civil tem intensificado cada vez mais os trabalhos preventivos nas comunidades do interior do Amazonas, pois a nossa missão, além de tirar criminosos de circulação, é conscientizar a sociedade sobre os seus direitos, por meio de palestra, rodas de conversas, dentre outros meios. Esse método tem encorajado as vítimas e seus familiares a denunciarem os agressores”, contou.

Prisões

As prisões foram realizadas nos municípios de Barreirinha; Benjamin Constant, Guajará, Itapiranga, Juruá, Manacapuru, Manaquiri, Parintins, Santa Isabel do Rio Negro, São Gabriel da Cachoeira, Tabatinga e Tapauá.

Entre os casos, está a prisão de um homem, 28, no dia 22 de maio, em São Gabriel da Cachoeira, por estupro de vulnerável contra sua filha, de 1 ano e 3 meses. O abuso sexual foi confirmado por meio dos exames de conjunção carnal.

O crime aconteceu quando o homem levou a vítima para sua casa, no dia 17 de meio, com a justificativa de experimentar um sapato, e ficou com ela por um período de 2 horas. A criança voltou para a casa da sua mãe chorando e apontando para a genitália, e quando a genitora foi dar banho nela, a vítima ficou em choque.

A outra prisão foi a de um homem, 40, no dia 16 de maio, em Itapiranga, que abusou sexualmente da própria filha quando ela tinha 13 anos. A vítima, inclusive, chegou a engravidar em decorrência do crime.

Em um primeiro momento, o indivíduo negou que era o genitor do bebê de sua filha, contudo, no momento de sua prisão, ele admitiu verbalmente ser autor do crime. Além disso, quando indagado se faria espontaneamente o exame de DNA para eliminar a probabilidade da paternidade, ele recusou, duas vezes, a realizar o exame.

FOTOS: Lyandra Peres e Divulgação/PC-AM.

Compartilhe

Postagens Relacionadas

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais lidos

Assine nossa Newsletter

Receba as últimas notícias diretamente no seu e-mail. Não fazemos Spam
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
error: Conteúdo Protegido !!