Manaus, 17 de julho de 2024

Duelo Catar x Equador abre Copa do Mundo 2022 neste domingo

O fã de futebol teve de aguardar cinco meses a mais que o normal, além dos tradicionais quatro anos, para, enfim, respirar novamente uma Copa do Mundo. A espera chega ao fim neste domingo (20), às 13h (horário de Brasília), com o duelo entre Equador e o anfitrião Catar, no Estádio Al Bayt, abrindo a 22ª edição da maior competição do esporte mais popular do planeta. A cerimônia de abertura da copa ocorreu pela manhã, com apresentações musicais, Show pirotécnico e a participação de mascotes, além de vídeos contando a história do Catar. A diversidade esteve em evidência em vários momentos do espetáculo.

Desde 1930, o Mundial é realizado entre os meses de maio e julho, mas uma adaptação foi necessária para que a edição de 2022 se tornasse viável, devido às temperaturas médias acima dos 30º C registradas no período. Com isso, a Copa do Catar será a primeira disputada no fim do ano, com expectativa de um clima mais ameno – nos últimos dias, os termômetros ainda apontavam muito calor (mais de 30º C durante o dia e mínima de 25º C à noite).

A questão climática foi um dos pontos polêmicos da escolha do Catar como sede da Copa, há 12 anos. Em reunião do Comitê Executivo da Federação Internacional de Futebol (Fifa), o país do Oriente Médio venceu a disputa com os Estados Unidos, levando a denúncias de compra de votos pelos asiáticos – que negaram as acusações. Notícias sobre mortes durante a construção dos estádios (segundo o jornal inglês The Guardian, mais de 6,5 mil trabalhadores imigrantes perderam a vida) e o receio quanto à postura da nação com a população LGBTQI+ e com as mulheres também vieram à tona, causando protestos e tensão.

Em meio às polêmicas, o Catar chega à Copa como única cara nova entre os participantes. Os anfitriões terão a missão de não repetir o que fez a África do Sul em 2010, quando foi o primeiro país-sede a não passar da fase de grupos. Nos dois últimos Mundiais, porém, os times estreantes (Bósnia e Herzegovina em 2014, Panamá e Islândia em 2018) não foram ao mata-mata.

Outro fator que torna a Copa deste ano marcante é que será a última no atual formato, com 32 seleções divididas em oito grupos, com quatro times. A partir da próxima edição, em 2026 (EUA, México e Canadá), o torneio reunirá 48 equipes, separadas em 16 chaves de três. A mudança foi anunciada pela Fifa em 2017 e foi aprovada por unanimidade no conselho da entidade. Será a primeira vez que as seis confederações terão representação garantida no Mundial – até 2022, o vencedor das eliminatórias da Oceania disputava uma repescagem internacional.

O novo formato deve dificultar a ausência, no Mundial, de seleções tradicionais. A edição do Catar, por exemplo, não terá a tetracampeã Itália, a exemplo do que aconteceu há quatro anos, na Rússia. Atual campeã europeia, a Azzurra foi surpreendida em casa pela Macedônia do Norte, na repescagem. Equipes como Colômbia e Chile (outra que havia perdido a Copa de 2018) também estão fora em 2022. Os chilenos chegaram a acionar a Fifa e, posteriormente, a Corte Arbitral do Esporte, alegando que o jogador equatoriano Byron Castillo estaria inelegível nas eliminatórias sul-americanas por supostamente utilizar uma certidão de nascimento falsa (ele seria colombiano), sem sucesso.

Por Lincoln Chaves – Repórter da EBC – São Paulo

Compartilhe

Postagens Relacionadas

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais lidos

Assine nossa Newsletter

Receba as últimas notícias diretamente no seu e-mail. Não fazemos Spam
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
error: Conteúdo Protegido !!