Manaus, 28 de fevereiro de 2024

Leitos abertos no Amazonas nos últimos três anos equivalem a dois novos hospitais 28 de Agosto

divulgação

*Da redação*

A rede de saúde do Amazonas registrou a abertura de 1.048 leitos, durante a gestão do atual governador do Estado, Wilson Lima, entre janeiro de 2019 e maio de 2022, apontam dados do CNES/DataSUS (Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde). O número é suficiente para equipar pelo menos dois prontos-socorros do porte de uma das maiores unidades de urgência e emergência de Manaus: o HPS 28 de Agosto, situada na zona Centro-Sul da capital, e que conta, atualmente, com cerca de 390 leitos, incluindo todas as modalidades.

Ao final de 2018, os leitos existentes – incluindo várias modalidades, entre elas as pediátricas, de obstetrícia, UTI, oncologia, clínicos, entre outras – somavam 10.259. Em maio deste ano, chegaram a 11.307, conforme o Ministério da Saúde, um salto de 10,22%.

Dos leitos atuais, 9.459 são considerados habilitados (Leitos SUS – Sistema Único de Saúde), e administrados pela rede pública de saúde, de acordo com a plataforma. Os demais, são leitos novos e ainda não habilitados, além de leitos disponíveis na rede privada. No caso dos leitos habilitados, que somavam, em dezembro de 2018, 8.556 unidades, o acréscimo, se comparados à realidade atual, foi de 10,55%. Ou, 903 leitos a mais.

Ainda conforme o CNES, parte do aumento se deu pela abertura de novos leitos clínicos-gerais, que passaram de 1670 para 2000; isolamento, que eram 161 e passaram para 216; leitos destinados à internação de pacientes com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), que antes não constavam na tabela, e hoje somam 46; e leitos para doença pulmonar-Covid, que foram criados em função da pandemia do novo coronavírus, e que somam 79.

Os leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para adultos, que são divididos em subcategorias (I , II e III), também apresentaram aumento. Na categoria III, passaram de 729, para 1128, acréscimo de 54,7%.

Parte dos aumentos se deu pela ativação de leitos em unidades importantes para o controle da pandemia da Covid-19 no Amazonas, como é o caso dos ofertados no Hospital e Pronto-Socorro Delphina Aziz, na zona Norte de Manaus, considerada referência para o tratamento da doença na capital.

No interior, que historicamente sempre dependeu de unidades da capital para internações em UTI, foi aberta a primeira ala com esse tipo de suporte, no Hospital Jofre Cohen, em Parintins, a 369 quilômetros de Manaus por via fluvial. A estrutura servirá de apoio para municípios da região, que ainda não contam com unidades de terapia intensiva.

Compartilhe

Postagens Relacionadas

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Mais lidos

Assine nossa Newsletter

Receba as últimas notícias diretamente no seu e-mail. Não fazemos Spam
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
error: Conteúdo Protegido !!